História

A história da Coelba começa no dia 28 de março de 1960, data da sua criação. Na época, a energia elétrica, na Bahia, era fornecida pelas prefeituras municipais e algumas companhias, inclusive uma estadual que atendia a Salvador e parte do Recôncavo. No primeiro ano de existência, a Coelba atendia a 21 localidades.

Ao longo de sua trajetória, a empresa foi incorporando os serviços prestados pelas prefeituras e as demais concessionárias existentes, a exemplo da Companhia Elétrica Rio de Contas – CERC. Ao completar 10 anos de existência, a Coelba inaugurou a terceira unidade da Usina Hidrelétrica de Funil e incorporou o sistema de Correntina, mantido pela Sulvale.

Em 1973, a Companhia de Energia Elétrica da Bahia – CEEB, empresa atuante no estado desde 1929, foi integrada à distribuidora. No ano seguinte, foi criada a Fundação Coelba de Assistência e Seguridade Social – Faelba, importante instrumento de realização da política de valorização de pessoal da empresa. Em 1977, a Coelba comemorou a ligação do cliente número 500 mil.

No início da década de 90, a empresa adotou a filosofia de gestão da Qualidade Total, voltando-se para modernização empresarial. Em 1993, a Coelba foi a primeira concessionária de energia da América do Sul a construir uma subestação totalmente digitalizada, a Subestação Candeal, localizada em Salvador.

No dia 31 de julho de 1997, a Coelba foi privatizada através de leilão, sendo arrematada por R$1,73 bilhão pelo Grupo Guaraniana, hoje, Grupo Neoenergia. De lá para cá, a distribuidora baiana deu um grande salto de qualidade e crescimento. Neste mesmo ano, a empresa atingiu a marca de 2,5 milhões de clientes ligados e, no ano 2000, implantou o novo sistema comercial e o serviço de teleatendimento gratuito.

Em 2005 a Coelba lançou oficialmente o projeto de relacionamento com a sociedade "Energia para Crescer". O projeto de responsabilidade social, foi inserido no planejamento estratégico da empresa como uma macro estratégia. E tinha como principal objetivo, contribuir de forma efetiva para o desenvolvimento sustentável do mercado. Baseado nos temas da agenda de responsabilidade social empresarial do Instituto Ethos.

Hoje, 20 anos após a privatização, a empresa passou dos 2,5 milhões de clientes, em 1997, para 5,8 milhões de consumidores atendidos. Além disso, o aumento do volume de investimentos e a expansão da infra-estrutura alinhados à política de planejamento e gestão do Grupo Neoenergia resultaram na melhoria dos indicadores de qualidade.

Neste período, a Coelba também cresceu fisicamente, garantindo mais confiabilidade e qualidade ao fornecimento de energia. Hoje, a infra-estrutura instalada é formada por mais de 277 mil km de rede, 3,6 milhões de postes, mais de 7 milhões de transformadores, 337 subestações. Para atendimento ao cliente, a Coelba está presente nos municípios baianos com 43 agências de atendimento, mais de mil pontos da rede Coelba Serviços e 18 agências móveis, veículos especialmente montados para levar até os consumidores os serviços da concessionária.

Outro ponto importante é a eletrificação rural, já que a Bahia é o estado com maior população rural do Brasil. Em 2000, apenas 53% dos domicílios da sua zona rural possuíam energia elétrica. Hoje, 85% das residências do interior do estado contam com este benefício e, em 2013, a Coelba comemorou a ligação de número 500 mil do Luz para Todos na Bahia.

Hoje, a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia é a terceira maior distribuidora de energia elétrica do país em número de clientes e a sétima em volume de energia fornecida. Nestes mesmos termos, ocupa a primeira posição entre as concessionárias do Norte – Nordeste. Presente em 415 dos 417 municípios da Bahia, atende a mais de 15,3 milhões de habitantes em uma área de concessão de 563 mil km². Possui uma força de trabalho de mais de 14,5 mil colaboradores (entre empregados e terceirizados) para contribuir para o desenvolvimento do Estado da Bahia.​
​​​​